Região:

min

max

Anuncie aqui

Zumbido no ouvido: o que fazer se incomodar e como tratar?

Barulho pode parecer inofensivo, mas é capaz de prejudicar não só a saúde física, mas também a mental

Por Redação
(Atualizado em 14/06/2022 - 17h02)
Compartilhar

Você já se incomodou com um zumbido chato que persiste, principalmente no momento em que você mais quer descansar? Esse barulho pode parecer inofensivo, mas é capaz de prejudicar não só a saúde física, mas mental também.

Ao temmais.com, a otorrinolaringologista do Hospital de Olhos de Sorocaba (BOS) Daniela Vieira Martins explica que este barulho tão persistente pode ir desde um leve incômodo para dormir ou se concentrar em uma leitura, até o impacto direto na qualidade de vida.

“O zumbido é um som que pode ser percebido mesmo na ausência de qualquer fonte externa que esteja gerando esse som. O grau de desconforto ao zumbido varia desde o barulho ser percebido e não incomodar, bem como gerar extrema angústia e sofrimento ao indivíduo”, explica.

Segundo a médica, o zumbido envolve diversos fatores no corpo humano, como a audição, algumas áreas do cérebro, o sistema muscular e até mesmo o emocional.

“Quando o paciente percebe e incomoda-se [com o zumbido], é de extrema importância a busca de auxílio para investigação destes múltiplos fatores envolvidos”, diz.

De acordo com a otorrino, a principal causa é a perda da audição. A população da terceira idade é a mais acometida pela perda auditiva.

“É um sintoma que pode estar presente em qualquer faixa etária e gênero. Há múltiplos fatores envolvidos para que este som seja percebido e incomode um indivíduo”, explica.

Problema afeta milhões de pessoas

Um relatório publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) cerca de 20% da população sofre com o zumbido no ouvido. Em março deste ano, a organização advertiu que uma a cada quatro pessoas viverá com algum grau de perda auditiva até 2050.

A exposição a sons altos pode ser um dos causadores do zumbido no ouvido, de acordo com a OMS.

Além dela, acidentes como explosões, tiros de canhões, fogos de artifício e barulhos provocados por arma de fogo também podem contribuir para o problema.

Por isso, a organização preparou uma lista com recomendações para proteger a audição.

Confira:

  • Mantenha o volume baixo em aparelhos de áudio pessoais;
  • Caso use fones de ouvido, deixe-os bem ajustados e com cancelamento de ruído;
  • Use protetores de ouvidos em locais barulhentos;
  • Faça check-ups auditivos regulares.

Tenho o zumbido. Existe tratamento?

Tratar o zumbido é um processo e 100% individualizado, uma vez que nenhum indivíduo é igual ao outro. O tratamento varia para cada paciente e é sempre voltado para suas mais variadas necessidades e prioridades.

Por isso, é preciso procurar por um profissional assim que perceber o incômodo.

“Independentemente do grau de incômodo do zumbido, há sempre uma forma de tratar. O acolhimento e aconselhamento do profissional que esteja acompanhando o paciente que sofre com o zumbido contempla um pilar muito importante a ser mantido durante todo o processo do tratamento”, diz.

Daniela explica que como o zumbido é um sintoma que envolve o sistema auditivo, estado emocional, qualidade de vida e sono, sistema muscular e metabolismo, às vezes é necessário fazer um acompanhamento multidisciplinar com fonoaudiólogos, fisioterapeutas, psicólogos e outras especialidades para acolhimento destes pacientes.